Pertencíamos à Igreja do Colégio Adventista Brasileiro (CAB) e éramos chamados os “vizinhos”. Vizinhos de cima, uma vez que os vizinhos de baixo já haviam constituído à Igreja do Capão Redondo.

Segundo a administração do CAB, a capela estava pequena para tanta gente e a cada dia sentíamos e ouvíamos indiretas insinuando que deveríamos sair.

O trabalho missionário da Igreja do Colégio era constituído de “vizinhos”, em sua maioria. Naquele tempo, embora não tivéssemos muita gente a atingir nas imediações do Colégio, o campo de trabalho era grande.

A maneira de encarar o trabalho missionário foi uma das principais razões para nos desligarmos da Igreja do CAB e passarmos a nos reunir no velho barracão que existia atrás das salas de aula do colégio. Isso aconteceu no ano de 1958.

Tivemos uma peregrinação por diversos locais, dentro do colégio. Capela das Moças, Conservatório, Barracão. Quando estávamos no dormitório das moças, nos constituímos em Igreja e nesse tempo éramos chamados “Extensão dos Adultos”.

No dia 25 de Junho de 1960 surgiu a Igreja da Alvorada. Estavam presentes: Pastor Moises Salin Nigri – Presidente da União Sul Brasileira, Pastor Oswaldo Rodrigues Azevedo – Presidente da Associação Paulista; Pastor Josino Campos – Distrital.

- Então declaramos: “DECLARAMOS, diante de Deus e de Nosso Senhor Jesus Cristo, que estamos vivendo de acordo com as 4 perguntas a nós feitas, e nos esforçamos a continuar a vive-las em nossas vidas, reafirmando o que assinamos, revelando assim o sincero desejo de sermos membros militantes da IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA, da ALVORADA”.

O núcleo de organização foi constituído de Illdebrando Felcher, João Bechara, Durval Stockler de Lima, Hélio Ítalo Serafino e João Gnutsman e mais 72 pessoas.

Na 1º Comissão de Nomeações estavam presentes: Hélio Ítalo Serafino, Ildebrando Ficher, Durval S. Lima, Sigfried Hoyler, Albertina Simon, Glória L. Serafino, Ruth Guimarães e Pastor Josino Campos.

Prof. Hélio Serafino